São Paulo vence o Portuguesa e Rogério Ceni se aproxima do gol de número 100

rogerio-ceni-comemora-gol-numero-98

O camisa 1 teve de aparecer na defesa e no ataque para garantir mais uma vitória para o São Paulo no Campeonato Paulista.

Neste domingo, Rogério Ceni fez gol de falta, chegou mais perto do centésimo e ainda salvou lá atrás para garantir a vitória tricolor por 3 a 2 sobre a Portuguesa, no Canindé. O goleiro são-paulino está a dois gols de chegar a seu centésimo na carreira. Falta muito pouco.

Não foi fácil, mas a equipe de Paulo César Carpegiani chegou aos 15 pontos e se mantém no pelotão de frente do torneio. Já a Portuguesa, que só jogou bola no segundo tempo, fica estacionada nos 10 pontos, mas brigando por uma vaga no G-8.

Agora, o Tricolor vai mais tranquilo para a estreia na Copa do Brasil. Nesta quarta, o time enfrenta o Treze-PB em Campina Grande. A Lusa pega o Bangu, no mesmo dia, pela mesma competição, no Rio de Janeiro.

A dois gols do paraíso
As atenções, mais uma vez, estavam voltadas para Rivaldo. No entanto, o camisa 10 não conseguiu se livrar da forte marcação da Lusa no primeiro tempo e quem brilhou foi Rogério, com boas defesas e mais um gol rumo ao centésimo de sua carreira.

Rivaldo acabou escondido no meio de Ferdinando e Ademir Sopa, que vigiaram de perto o meia e forçaram o São Paulo a utilizar alternativas para furar o bloqueio rubro-verde.

Do lado direito, o estreante zagueiro Rhodolfo fez a função de lateral, e Jean retornou à sua posição de origem no meio. Com jogadores mais de marcação nessa ala do campo, o São Paulo teve de insistir pelo lado esquerdo para criar praticamente todas suas chances de gol.

Com Juan, Fernandinho e até Carlinhos Paraíba, o time foi, aos poucos, envolvendo a marcação da Portuguesa.

O time da casa se virou como pôde. Sem jogadores criativos no meio de campo, apelou para os chutões que procuravam os atacantes Kempes e Jael, outro estreante do dia. A Lusa só ameaçou quando estes recuaram para buscar o jogo.

Na melhor chance, já no fim da primeira etapa, Jael deixou Marcelo Cordeiro livre, na cara do gol, mas o lateral chutou sem força.

Pela esquerda, o Tricolor insistia, até que uma inversão de posicionamento desmoronou a zaga da Portuguesa. Dagoberto, e não Fernandinho, caiu pela esquerda. Fernandinho, e não Dagoberto, veio da direita, em diagonal, e invadiu a área sozinho.

O camisa 12 só precisou esperar o cruzamento de seu companheiro para cabecear tranquilo, sem chances para Weverton: 1 a 0 São Paulo, aos 29 minutos.

Desde o início do jogo, porém, o mais festejado, para variar, era Rogério Ceni. E ele teve sua chance de brilhar aos 39, quando Fernandinho sofreu falta de Domingos na entrada da área.

O camisa 1 foi ao ataque, cobrou bem e ainda contou com uma ajudinha de Weverton para fazer seu gol número 98 na carreira. Agora só faltam dois para o centésimo!

Lusa assusta, mas não o suficiente
A segunda etapa até que começou no mesmo ritmo, com o Tricolor buscando jogadas pela esquerda e a Lusa travada mesmo com duas alterações na equipe. Para sorte de Sergio Guedes, porém, as mudanças funcionaram.

Fabrício, que entrou no lugar de Ivo, invadiu a área e foi derrubado em disputa com Alex Silva: Pênalti. Aos 12, Heverton, que substituiu Jael, bateu com perfeição. Bola de um lado, Rogério Ceni do outro: 2 a 1.

Por alguns minutos, a Lusa ensaiou uma pressão, adiantando suas linhas e forçando o São Paulo a recuar. Mas com um repertório limitado de jogadas, o time foi dominado facilmente pelo sistema defensivo do Tricolor, que retomou o domínio a partir dos 20 minutos.

Aí, só deu São Paulo. Aos 23, Fernandinho perdeu chance incrível após bela jogada de Juan. O atacante recebeu sozinho, na pequena área e com o goleiro já vendido. Mesmo assim, acertou o travessão. Inacreditável!

Se Fernandinho estava com a pontaria ruim, o mesmo não se pode dizer de Rhodolfo. No primeiro jogo com a camisa tricolor, já deixou sua marca.

Aos 30, Dagoberto cobrou falta do lado esquerdo e o estreante subiu sozinho para cabecear, fazendo o terceiro do São Paulo. Na comemoração, uma cambalhota que incendiou a torcida. Mas, em um vacilo da defesa, Heverton diminuiu aos 41.

E, para salvar o Tricolor, Rogério Ceni trabalhou mais uma vez. Aos 44, Marco Antônio cobrou falta no ângulo e Ceni voou para defender, garantindo a vitória.

fonte: Diego Ribeiro


Tags: , , , , , , , , , ,

Não encontrou o que queria? Pesquise abaixo no Google.


Para votar clique em quantas estrelas deseja para o artigo

RuimRegularBomMuito BomExcelente (Seja o primeiro a votar)
Loading...



Enviar postagem por email Enviar postagem por email