Presidente da Petrobras não descarta o aumento do preço da gasolina

dilma-e-o-presidente-chines-hu-jintao

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, não descartou um aumento no preço da gasolina caso o preço do petróleo se mantenha alto. Ele acompanha a presidente Dilma Rousseff em visita à China.

“Se ele ficar nesse nível que ele está hoje, estável nesse nível, você vai ter que alterar porque nós estávamos trabalhando com US$ 65, US$ 85 dólares [por barril]”, disse.

Na segunda (11), o contrato para entrega em maio do barril em Nova York caiu US$ 2,87, para US$ 109,92. Em Londres, o Brent para maio fechou em US$ 123,98.

No último dia 6, o presidente da Petrobras afirmou que há a possibilidade de aumento. No mesmo dia, no entanto, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, negou que a gasolina vá subir.

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, já afirmou que o governo, controlador da Petrobras, resistirá ao aumento até quando for suportável.

Dados da Agência Nacional de Petróleo Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) de março mostravam que abastecer com etanol era vantajoso apenas nos postos de combustíveis de Mato Grosso, naquele momento.

Viagem à China e acordos
Junto com a presidente Dilma, Gabrielli participou de seminário com cerca de 300 empresários brasileiros e chineses em Pequim. Um dos objetivos da viagem e do encontro é aumentar o espaço das empresas brasileiras no mercado chinês.

“É bom que até agora o comércio seja petróleo, soja e minerais, mas não basta. O Brasil deseja somar valor agregado a suas exportações”, afirmou a presidente.

Depois do seminário, Dilma se reuniu com o presidente chinês, Hu Jintao.

Eles assinaram cerca de 20 acordos comerciais nas áreas de tecnologia, agricultura, esporte, educação e comércio.

Com a assinatura dos atos, foi criado o Centro Brasil-China de Pesquisa e Inovação em Nanotecnologia. Outro acordo se refere ao setor de defesa e estabelece intercâmbio de experiências em áreas como operações militares, tecnologia de defesa e instrução e treinamento militar.

Há parcerias firmadas que abrangem o desenvolvimento da produção do bambu e a gestão de recursos hídricos, como controle de enchentes e combate à seca.

Segundo informações da BBC, o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, estima que a viagem da comitiva brasileira já tenha garantido acordos de US$ 1 bilhão.

O ministro citou um investimento de US$ 300 milhões na cidade de Barreiras (BA) numa fábrica de processamento de soja e investimentos de US$ 300 milhões numa planta de produção de equipamentos de informação em Goiás.

Nos últimos dois anos, a China se tornou o principal destino das exportações brasileiras e o maior investidor no Brasil, postos que haviam sido ocupados nos últimos anos por Estados Unidos e Espanha.

Os investimentos chineses estão centrados nas áreas de petróleo, tecnologia agrícola e produção de soja.

fonte: G1


Tags: , , , , , , , , ,

Não encontrou o que queria? Pesquise abaixo no Google.


Para votar clique em quantas estrelas deseja para o artigo

RuimRegularBomMuito BomExcelente (Seja o primeiro a votar)
Loading...



Enviar postagem por email Enviar postagem por email