Coração de brasileiro volta a funcionar após meses parado

segio-genaro

No dia 23 de maio, Sérgio, 48 anos, deu entrada em um hospital no Rio para tratar de uma crise nos rins. Na sala de cirurgia, os médicos descobriram que ele também tinha um problema grave no coração. Foi transferido para o Instituto Nacional de Cardiologia e o que seriam, a princípio, apenas 20 dias de internação viraram quatro meses e meio.

“Eu achava que eu ia morrer”, diz.

O lado esquerdo do coração parou de funcionar. Sérgio só continuou vivo por causa de uma máquina. “O sangue sai do coração, passa por um aparelho e é bombeado de volta ao corpo, permitindo, então, que os órgãos recebam o sangue com oxigênio. Ele fica para fora do corpo, em uma posição mais ou menos semelhante a que eu seguro aqui”, explica o cirurgião cardíaco Alexandre Siciliano.

“Aquele coração pendurado ali, saber que eu estava vivendo através de um aparelho, isso eu não vou esquecer nunca. Eu tinha o maior cuidado com o coração, inclusive até com o doutor, eu falei, cara, não mexe nisso não, isso aí é minha vida”, lembra o comerciante Sérgio Genaro.

Geralmente, o equipamento é usado em pacientes que esperam por um transplante de coração, por um prazo de até seis meses. Sérgio estava prestes a entrar na fila, mas nesse meio tempo aconteceu um fato que a medicina considera raro: o coração dele voltou a funcionar por conta própria.

“Menos de 5% ou talvez 5% dos corações que são submetidos ao implante desse tipo de dispositivo têm esse desfecho de recuperação”, explica o cirurgião Alexandre Siciliano.

O caso de Sérgio é o primeiro a ser registrado no Brasil. “Eles diminuíam o fluxo sanguíneo do aparelho para ver como o coração reagia. Eu já não tinha dúvida, eu vi que era questão de tempo”, lembra a irmã de Sérgio Ana Lúcia Genaro.

Há quase dois meses, a máquina foi completamente desconectada do corpo de Sérgio. “Foi ótimo isso acontecer porque quantos outros pacientes virão e a gente fica na expectativa que também vão sair de lá com o coração dele próprio”, diz Ana Lúcia.

Infelizmente, essa tecnologia que começou a ser desenvolvida nos anos 70, ainda é cara. Cada aparelho custa em torno de R$ 180 mil e existem poucos disponíveis no Brasil. Sérgio teve sorte de estar no lugar certo, na hora certa. “Sérgio está tendo uma evolução muito favorável, os exames laboratoriais dele mostram as funções orgânicas todas normalizadas. A gente vai passar por um período agora de reabilitação, fisioterapia”, diz o cirurgião.

“Agora é vida nova, quero passear, quero sair, quero esquecer um pouco de hospital, quero aproveitar meu coração o máximo possível para ele me proporcionar bons momentos”, espera Sérgio.

Bons momentos como torcer pelo time do coração: “Desde pequenininho eu gosto do Vasco. O que eu mais queria agora é ter uma recordação do Vasco. Eu queria uma camisa autografada por todos os jogadores”, diz Sérgio.

O Sérgio disse que o coração dele aguenta, o médico também. Então, o Fantástico foi até o estádio do Vasco. Os jogadores estão treinando. E olha o que o Fantástico conseguiu: a camisa do time do coração do Sérgio. E agora, a segunda vontade dele, que é ter os autógrafos dos jogadores.

“Fiquei muito comovido com a sua história”, diz o meia Felipe.

“Eu acho que foi só lembrar do Vasco que o coração com certeza voltou a bater”, brinca o atacante Alecsandro.

“Que ele possa comemorar mais um título, se Deus quiser”, diz o goleiro Fernando Prass.

“Que esse coração possa bater bastante forte aí com nosso Vascão”, diz o meia Diego Souza.

“É o meu time do coração”, diz Sérgio, emocionado ao receber o presente. Ele deve receber alta do hospital na segunda-feira (10).

fonte: fantástico


Tags: , , , , ,

Não encontrou o que queria? Pesquise abaixo no Google.


Para votar clique em quantas estrelas deseja para o artigo

RuimRegularBomMuito BomExcelente (Seja o primeiro a votar)
Loading...



Enviar postagem por email Enviar postagem por email