Presidente do Metrô de São Paulo deixa o cargo

sergio-avelleda

O presidente do Metrô de São Paulo, Sérgio Avelleda, deixou o cargo nesta quarta-feira (4), segundo informações da assessoria de imprensa da companhia. A decisão ocorre pouco mais de quatro meses após Avelleda ser afastado pela Justiça da presidência do Metrô.

Na decisão, de 18 de novembro de 2011, também foi determinada a suspensão dos contratos de prolongamento da linha 5-Lilás –de Adolfo Pinheiro até a Chácara Klabin– por suspeita de fraude na concorrência da obra.

Alguns dias depois, ainda em novembro, a própria Justiça liberou as obras e suspendeu o afastamento de Avelleda, que reassumiu o cargo de presidente do Metrô no dia 29 daquele mês.

De acordo com o Metrô, a decisão de agora deixar o cargo partiu do próprio Avelleda, que irá trabalhar na Estação da Luz Participações (EDLP), empresa que atua no setor ferroviário.

José Kalil Neto, que ocupava a função de diretor de Finanças da companhia e havia assumido a presidência durante o afastamento de Avelleda, torna-se a partir desta quarta-feira o novo presidente do Metrô.

Investigação
A decisão que afastou Avelleda do cargo atendeu a um pedido do Ministério Público. Um dos principais peças foi o parecer técnico feito por uma perita que avaliou o processo de licitação da Linha 5-Lilás.

Ela afirma que “caso tivessem sido consideradas as propostas relativas aos menores preços, a economia do Metrô teria sido de R$ 326.915.754,40. Isso porque o Metrô não optou pelos preços menores oferecidos por uma construtora, que já tinha vencido uma das licitações”.

Em 26 de março, o juiz Marcos Fleury Silveira de Alvarenga, da 12ª Vara Criminal de São Paulo aceitou a denúncia oferecida pelo Ministério Público do Estado de São Paulo contra 14 executivos de ao menos 12 construtoras acusados de fraude na licitação para a ampliação da linha 5-Lilás do Metrô. Com isso, eles são agora réus no processo e terão dez dias para apresentar a defesa.

As empresas, algumas delas formando consórcios, são acusadas de acertar os resultados da licitação mediante combinação de preços, o que configura formação de cartel, segundo o promotor Marcelo Batlouni Mendroni.

Avelleda não estava entre os nomes de executivos que se tornaram réus.

fonte: G1


Tags: , , , , , , , , , , , ,

Não encontrou o que queria? Pesquise abaixo no Google.


Para votar clique em quantas estrelas deseja para o artigo

RuimRegularBomMuito BomExcelente (Seja o primeiro a votar)
Loading...



Enviar postagem por email Enviar postagem por email