6 mil servidores de universidades federais paralisam atividades na PB

adufpb

Cerca de 6 mil servidores públicos federais de instituições de ensino superior param as atividades nesta quarta-feira (25) em toda a Paraíba, em adesão ao dia nacional de lutas da campanha salarial de 2012.

Os funcionários reivindicam negociações com o governo federal, com base em pauta conjunta de sete itens, e uma reposição salarial emergencial de 22,08%.

A suspensão dos trabalhos inclui professores e funcionários de setores técnicos e administrativos da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB).

Na UFPB, a estimativa é de que 4 mil funcionários parem os trabalhos. A Associação dos Docentes (AdufPB) fez assembleias em três campi (João Pessoa, Areia e Bananeiras) e aprovou um indicativo de greve para o dia 15 de maio.

Segundo Wladimir Nunes Pinheiro, diretor de política sindical da associação, os professores das instituições federais de ensino seriam a única categoria de nível superior do funcionalismo federal que não passou por reforma de carreira durante os dois últimos governos.

Entre as mudanças propostas, está a unificação das carreiras do Magistério Superior (MS) e do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT) em uma só carreira: a de professor federal. Outra é a incorporação de todas as gratificações.

UFCG
Já na UFCG, os servidores se concentram pela manhã em frente ao Hospital Universitário, em Campina Grande, e saem em marcha até a Praça da Bandeira, no Centro da cidade. O objetivo é realizar um ato público para divulgar a situação das negociações.

O hospital foi escolhido como ponto de partida devido à crise que vive, já abordada pelo reitor Thompson Mariz.

Segundo ele, a unidade sofre com déficit de funcionários concursados e pode adotar uma gestão pactuada com empresas particulares, conforme projeto do Ministério da Educação (MEC).

Os servidores são contra o processo, o qual preferem chamar de ‘privatização’.

IFPB
Em todos os setores da instituição, são cerca de 1,7 mil parados. No campus do IFPB em João Pessoa, a programação da paralisação começou por volta das 7h com panfletagem nos portões principais.

A partir das 14h, está prevista uma reunião do Fórum Estadual de Educação no Auditório José Marques, promovido pelo programa de educação de jovens e adultos da instituição.

Além do reajuste de 22,08% exigido em comum por todas as universidades, os profissionais do IFPB querem progressão por titulação para os docentes, progressão imediata por capacitação dos técnico-administrativos, admissão automática de títulos emitidos por Universidades do Mercosul e garantia de eleições diretas em todos os campi.

fonte: G1


Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Não encontrou o que queria? Pesquise abaixo no Google.


Para votar clique em quantas estrelas deseja para o artigo

RuimRegularBomMuito BomExcelente (Seja o primeiro a votar)
Loading...



Enviar postagem por email Enviar postagem por email