Investigação de lavagem de dinheiro contra Palocci é arquivada pelo TJ-SP

ex-ministro-antonio-palocci

O Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou nesta terça-feira (26) que foi arquivado no último dia 21 de junho a investigação criminal que apurava a participação do ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci em suposto esquema de lavagem de dinheiro no apartamento onde morava, em Moema, na Zona Sul de São Paulo. O Tribunal de Justiça não divulgou outras informações sobre o inquérito, que está sob segredo de justiça.

O promotor Joel Carlos Moreira da Silva, do Grupo Especial de Delitos Econômicos (Gedec) do Ministério Público Estadual, disse por meio de sua assessoria que pediu à Justiça o arquivamento porque não havia provas contra o ex-ministro.

O procedimento foi aberto no dia 29 de setembro a partir de uma representação protocolada pelo deputado estadual Pedro Tobias (PSDB-SP). A representação ligava Palocci a um suposto esquema de lavagem de dinheiro em um apartamento localizado no Parque do Ibirapuera, avaliado em R$ 4 milhões.

De acordo com a representação que deu origem à abertura da investigação, Palocci pagava aluguel de R$ 15 mil do imóvel ao proprietário e sócio, Gesmo Siqueira do Santos, acusado de ser o laranja do esquema.

O advogado de Palocci, José Roberto Batochio, afirmou que fez-se justiça. “Essa promoção de arquivamento realiza a justiça. Ele (Palocci) não conhecia quem era o dono do imóvel”, disse o advogado.

Segundo Batocchio, o imóvel que ele alugou era de uma pessoa jurídica, de uma sociedade, que por sua vez, tinha colocado o imóvel em uma administradora de bens.

“Dada à visibilidade dele como ministro, resolveram pesquisar quem era a empresa dona do imóvel. Descobriram que era uma pessoa jurídica e que tinha um sócio e que esse sócio tinha antecedentes criminais de sonegação fiscal. E aí quiseram transferir para o ex-ministro, digamos assim, a folha corrida do cara que era ex-sócio da empresa dona do apartamento. Quando se instaurou isso, eu disse que era um despropósito. Uma coisa non sense. Onde já se viu o inquilino que quer alugar um imóvel ter de levantar o DNA da família dona de imóvel? Geralmente o que ocorre é o contrário” afirmou Batochio.

Segundo Batochio, Palocci rompeu o contrato com a imobiliária após denúncias de que o proprietário estava envolvido em operações ilegais.

Palocci deixou o cargo após a publicação de uma reportagem pelo jornal ““Folha de S.Paulo”” segundo a qual ele teve o patrimônio aumentado em 20 vezes entre 2006 e 2010.

Palocci teria recebido R$ 20 milhões somente em 2010, por meio da Projeto, empresa da qual é proprietário e que prestava serviços de consultoria a empresas. Quando ainda era ministro, em entrevista à TV Globo, ele negou irregularidades.

fonte: G1


Tags: , , , , , , , , , , , ,

Não encontrou o que queria? Pesquise abaixo no Google.


Para votar clique em quantas estrelas deseja para o artigo

RuimRegularBomMuito BomExcelente (Seja o primeiro a votar)
Loading...



Enviar postagem por email Enviar postagem por email