Senador Humberto Costa fala sobre Demóstenes Torres: ‘não é aceitável que parlamentar minta à sociedade’

demostenes

Depois que o presidente José Sarney abriu nesta quarta-feira a sessão que definirá o futuro político de Demóstenes Torres (sem partido-GO), o senador Humberto Costa(PT-PE), relator do processo no Conselho de Ética foi o primeiro a falar. Demóstenes é acusado de ter usado o mandato para favorecer o contraventor Carlinhos Cachoeira.

Durante o discurso, Costa criticou os discursos de Demóstenes durante a semana que antecedeu o julgamento.

“Qualquer parlamentar pode mentir quando discursa. No entanto, é um direito de qualquer outro parlamentar não acreditar na mentira do colega e pedir a sua punição. Não é normal, nem aceitável, que se minta ao parlamento e à sociedade brasileira”, enfatizou.

Em seguida, começou a fala do senador Pedro Taques (PDT-MT), relator do processo na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Ele defendeu a legalidade do relatório e disse que o processo é plenamente adequado às determinações da Constituição.

“O comportamento (do senador Demóstenes) foi incompatível à conduta parlamentar, ferindo de morte a dignidade do cargo”, ressaltou.

O presidente do Senado, determinou, após ouvir os líderes partidários, a concessão de um prazo maior para manifestação da acusação e da defesa na sessão do Plenário que examina o processo de cassação, atendendo pedido de Humberto Costa.

Inicialmente, seriam assegurados 10 minutos para a manifestação das partes, mas Costa argumentou que, na condição de relator de mérito, precisaria do tempo necessário para fazer a defesa do seu trabalho no Conselho de Ética.

Assim, os relatores Humberto Costa e Pedro Taques ganharam 20 minutos para se manifestarem.

Após o pedido de Costa, Demóstenes também solicitou mais tempo para se manifestar e terá 40 minutos para se defender, prorrogáveis por mais 10. Os senadores inscritos falarão por 10 minutos.

Manifestação dos parlamentares
Ao final dos discursos dos relatores Humberto Costa e Pedro Tasques, iniciou a manifestação dos parlamentares inscritos. O primeiro a falar foi o senador Mário Couto (PSDB-PA).

Caso Cachoeira
Acusado de comandar a exploração do jogo ilegal em Goiás, Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, foi preso na Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, em 29 de fevereiro de 2012, oito anos após a divulgação de um vídeo em que Waldomiro Diniz, assessor do então ministro da Casa Civil, José Dirceu, lhe pedia propina.

O escândalo culminou na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos e na revelação do suposto esquema de pagamento de parlamentares que ficou conhecido como mensalão.

Escutas telefônicas realizadas durante a investigação da PF apontaram contatos entre Cachoeira e o senador democrata Demóstenes Torres (GO). Ele reagiu dizendo que a violação do seu sigilo telefônico não havia obedecido a critérios legais.

Nos dias seguintes, reportagens dos jornais Folha de S.Paulo e O Globo afirmaram, respectivamente, que o grupo de Cachoeira forneceu telefones antigrampos para políticos, entre eles Demóstenes, e que o senador pediu ao empresário que lhe emprestasse R$ 3 mil em despesas com táxi-aéreo.

Na conversa, o democrata ainda vazou informações sobre reuniões reservadas que manteve com representantes dos três Poderes.

Pressionado, Demóstenes pediu afastamento da liderança do DEM no Senado em 27 de março. No dia seguinte, o Psol representou contra o parlamentar no Conselho de Ética e, um dia depois, em 29 de março, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski autorizou a quebra de seu sigilo bancário.

O presidente do DEM, senador José Agripino Maia (RN), anunciou em 2 de abril que o partido havia decidido abrir um processo que poderia resultar na expulsão de Demóstenes, que, no dia seguinte, pediu a desfiliação da legenda, encerrando a investigação interna. Mas as denúncias só aumentaram e começaram a atingir outros políticos, agentes públicos e empresas.

Após a publicação de suspeitas de que a construtora Delta, maior recebedora de recursos do governo federal nos últimos três anos, faça parte do esquema de Cachoeira, a empresa anunciou a demissão de um funcionário e uma auditoria.

O vazamento das conversas apontam encontros de Cachoeira também com os governadores Agnelo Queiroz (PT), do Distrito Federal, e Marconi Perillo (PSDB), de Goiás. Em 19 de abril, o Congresso criou a CPI mista do Cachoeira.

fonte: Terra


Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

Não encontrou o que queria? Pesquise abaixo no Google.


Para votar clique em quantas estrelas deseja para o artigo

RuimRegularBomMuito BomExcelente (Seja o primeiro a votar)
Loading...



Enviar postagem por email Enviar postagem por email