Para Barbosa, afastamento de Cunha é decisão ‘corajosa e extraordinária’

Para Barbosa, afastamento de Cunha é decisão 'corajosa e extraórdinaria

Para Barbosa, afastamento de Cunha é decisão ‘corajosa e extraórdinaria

Em seu Twitter, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, classificou a decisão do ministro Teori Zavascki de afastar o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) do mandato e do cargo de presidente da Câmara é corajosa e extraordinária’.”O ministro Teori acaba de tomar uma das mais extraordinárias e corajosas decisões da história político-judiciária do Brasil. Afastado há quase dois (anos) da vida pública, sou hoje um cidadão plenamente livre, um profissional de mercado”, afirmou.Joaquim Barbosa também se manifestou em relação ao processo de impeachment de Dilma.

“Embora haja questões que me incomodem profundamente no atual processo de impeachment, resolvi não participar do debate. Isso não me impede, porém, de indicar algumas pistas, apontar certos deslizes, chamar a atenção para possíveis consequências”, disse. “Por exemplo: o senador Anastasia é jurista de primeira ordem. Adorei quando ele trouxe ao debate a opinião de Alexander Hamilton.”

O ex-ministro detalhou. “Hamilton era um gênio, uma das mentes poderosas na origem da criação das instituições que moldaram os EUA, copiadas pelo Brasil.”O ex-presidente prosseguiu. “Reflitamos um pouquinho sobre a nossa realidade em 2016. Provincianos em sua maioria, loucos para assumir as rédeas do poder, nossos líderes não têm dado bola à dimensão internacional da questão”, diz.”Nós temos a mais sólida e estável democracia da América Latina; entre os chamados países emergentes, nada há de comparável ao que temos aqui. Temos um poder Judiciário robusto e independente, coisa rara entre os membros do grupo de países que citei acima. A decisão de hoje do ministro Teori aí está como uma bela demonstração.”O ministro Teori Zavascki, do STF, afastou o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do cargo de líder da Casa e do mandato de deputado.

A decisão foi tomada em cima de pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Em caso de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), o vice Michel Temer (PMDB) assume a presidência e Eduardo Cunha, réu por corrupção e lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato, chegaria ao segundo cargo da linha sucessória.O pedido de afastamento entregue por Janot ao Supremo traz um capítulo intitulado ‘Dos atos que visaram embaraçar e impedir a investigação de organização criminosa’. Nele, o procurador aponta onze razões que, em sua avaliação, justificam o afastamento de Eduardo Cunha.

Fonte: msn/estadão


Tags: ,

Não encontrou o que queria? Pesquise abaixo no Google.


Para votar clique em quantas estrelas deseja para o artigo

RuimRegularBomMuito BomExcelente (Seja o primeiro a votar)
Loading...



Enviar postagem por email Enviar postagem por email