Após depor, líder do MTST é liberado de delegacia em São Paulo

Após depor, líder do MTST é liberado de delegacia em São Paulo

Após depor, líder do MTST é liberado de delegacia em São Paulo

Guilherme Boulos foi detido pela Polícia Militar no período da manhã durante desocupação em terreno localizado na zona leste da capital

A Polícia Civil liberou no início da noite desta terça-feira (17) o ativista Guilherme Boulos, um dos integrantes da coordenação nacional do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto). Ele havia sido detido pela PM no período da manhã durante a desocupação de um terreno  no Jardim Colonial, na zona leste de São Paulo.
Segundo informações passadas pelo 49º DP (São Mateus), Boulos foi liberado depois de prestar depoimento. Agentes da Polícia Militar que efetuaram a detenção também foram ouvidos. Não foi informado, entretanto, se será aberto inquérito policial contra o ativista. A SSP (Secretaria de Segurança Pública) também não se manifestou até o momento da publicação desta reportagem.
O MTST afirma que aproximadamente 700 famílias foram despejadas durante a ação no Jardim Colonial. “Cerca de 3 mil pessoas: homens, mulheres, crianças, idosos, deficientes que foram jogados na rua por uma decisão judicial que considerou apenas os interesses do proprietário de um latifúndio urbano que só servira antes das pessoas morarem ali para especulação imobiliária”, diz texto publicado na página do movimento no Facebook .

Para tentar evitar a desocupação, o MTST diz ter procurado alternativas, “evitando, assim, um massacre de pessoas pobres que nada mais estavam que lutando pelo direito constitucional da moradia”.
Perseguição
A coordenação do MTST considera que a prisão de Boulos é “injusta” e representa uma perseguição contra os movimentos sociais. “A Tropa de Choque , que estava violentamente removendo 700 famílias, também afirmou que Guilherme Boulos está ‘marcado’ e que tem gravações da sua participação em atos Fora Temer”, referindo-se às manifestações contrárias ao governo do presidente Michel Temer (PMDB).
“O direito de se expressar e lutar por seus direitos está cada vez mais cerceado e a importante ação dos movimentos sociais frente à onda conservadora na política e nas ruas está ameaçada”, acrescenta a nota do MTST. A SSP também não respondeu às críticas feitas pelo grupo.

Ainda de acordo com o movimento, a alegação dada pela Polícia Militar no momento da prisão foi a de que Boulos teria desobedecido ordens dadas pelos agentes e incitado a prática criminosa. O artigo 330 do Código Penal estabelece que “desobedecer a ordem legal de funcionário público” é crime, com pena de detenção de 15 dias a seis meses, além de multa. Para a incitação ao crime, a pena é de três a seis meses de prisão e multa.
Fonte: Último Segundo/Brasil/Ig. São paulo


Tags: , , ,

Não encontrou o que queria? Pesquise abaixo no Google.


Para votar clique em quantas estrelas deseja para o artigo

RuimRegularBomMuito BomExcelente (Seja o primeiro a votar)
Loading...



Enviar postagem por email Enviar postagem por email