Balanço do IBGE aponta que produção industrial fechou 2016 com queda de 6,6%

Balanço do IBGE aponta que produção industrial fechou 2016 com queda de 6,6%

Balanço do IBGE aponta que produção industrial fechou 2016 com queda de 6,6%

Em dezembro de 2016, a produção industrial nacional cresceu 2,3% frente ao mês anterior. Resultado da indústria amarga queda pelo terceiro ano seguido

A produção industrial brasileira fechou 2016 com queda de 6,6%, sendo esse o terceiro ano seguido que o setor apresenta retração, segundo balanço divulgado nesta quarta-feira (1º) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em dezembro de 2016, a produção industrial nacional cresceu 2,3% frente ao mês anterior. Segundo o IBGE ,  essa foi a segunda taxa positiva do indicador, acumulando expansão de 2,6% no período analisado. Na comparação com dezembro de 2015, a variação foi de -0,1%, sendo a 34ª taxa negativa consecutiva nesse tipo de comparação, mas a menos intensa da sequência que a indústria vinha apresentando.
A queda de 6,6% na produção industrial teve influencia direta de da indústrias extrativista que acumulou queda de 9,4% em 2016, seguido da produção de produtos derivados de petróleo e biocombustíveis com retração de 8,5% e veículos automotores, reboques e carroceiras que amargou queda de 11,4% no período analisado.
Setores em queda
Outras contribuições negativas relevantes sobre o total nacional vieram de máquinas e equipamentos  que teve queda 11,8%, produtos de minerais não-metálicos com retração de 10,9%, outros equipamentos de transporte om recuo de 21,7%, metalurgia  retraído em 6,6%, produtos de metal com queda de 9,8%, equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos retraído em 14,8%, produtos de borracha e de material plástico com  resultado negativo de 7,1%, máquinas, aparelhos e materiais elétricos  em queda de -8,5%, produtos do fumo com amarga retração de 25,6%, produtos farmoquímicos e farmacêuticos  negativo em 6,0%, confecção de artigos do vestuário e acessórios  em queda de 5,8% e móveis  com recuo de 11,0% no ano passado.
Por outro lado, entre as três atividades que ampliaram a produção nos 12 meses de 2016, as principais influências foram observadas em produtos alimentícios  que tece alta de 0,6% e celulose, papel e produtos de papel com alta de 2,5%.

Quarto trimestre
Na passagem de novembro para dezembro de 2016, três das quatro grandes categorias econômicas pesqusadas pelo IBGE e 16 dos 24 ramos apresentaram taxas positivas. Entre os setores, o destaque foi veículos automotores, reboques e carrocerias (10,8%), que teve o maior resultado para o segmento desde junho de 2016 (11,7%) e intensificou a expansão de 6,9% verificada no mês anterior.
Outras contribuições positivas relevantes vieram de perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal com alta de 5,5%, de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos com crescimento na produção de 15,2%, de produtos de borracha e de material plástico com alta de 8,3%, de confecção de artigos do vestuário e acessórios com alavancagem de 10,9%, de indústrias extrativas  em alta de 1,6%, de produtos alimentícios com alta de 0,9%, de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados positivo em 7,6%, de máquinas e equipamentos com 2,4% e de móveis em alta de 9,6% no período analisado pelo IBGE.
Fonte: Último Segundo/Brasil Econômico/Com informações da Agência Brasil


Tags: , , , , , ,

Não encontrou o que queria? Pesquise abaixo no Google.


Para votar clique em quantas estrelas deseja para o artigo

RuimRegularBomMuito BomExcelente (Seja o primeiro a votar)
Loading...



Enviar postagem por email Enviar postagem por email