Após boatos na web, MEC desmente que universidades federais cobrarão mensalidade

Após boatos na web, MEC desmente que universidades federais cobrarão mensalidade

Após boatos na web, MEC desmente que universidades federais cobrarão mensalidade

Declaração da pasta foi feita após boatos nas redes sociais de que o governo de Michel Temer estaria avaliando a possibilidade de fazer as cobranças


O Ministério da Educação (MEC) afirmou que não pretende efetuar cobrança de mensalidade de estudantes das universidades federais. A declaração da pasta foi feita após boatos nas redes sociais de que o governo Michel Temer estaria avaliando a possibilidade de cobrar mensalidades das intuições federais.
Segundo o MEC, a gratuidade dos cursos regulares de graduação, mestrado e doutorado em universidades federais , “é garantida pelo artigo 206 da Constituição Federal”. De acordo com a pasta, a possibilidade de alterar esse “preceito constitucional” nunca esteve em pauta. “Qualquer discussão em sentido contrário não passa de tentativa de confundir a sociedade com inverdades e manipulações para atender interesses outros, que não o da Educação.”
O Ministério da Educação aproveitou para afirmar também que está trabalhando para
“regularizar pagamentos, gerir melhor os recursos, implementar programas e garantir investimentos na educação”, uma vez que a gestão atual “recebeu a pasta com corte orçamentário, dívidas e acordos não cumpridos pelo governo anterior”.

A gratuidade dos cursos regulares de graduação, mestrado e doutorado, é garantida pelo artigo 206 da Constituição Federal. Não está, nem nunca esteve na pauta da atual gestão do MEC qualquer mudança que altere este preceito constitucional. Qualquer discussão em sentido contrário não passa de tentativa de confundir a sociedade com inverdades e manipulações para atender interesses outros que não o da Educação.

A verdade é que a atual gestão do MEC recebeu a pasta com corte orçamentário, dívidas e acordos não cumpridos pelo governo anterior. Diante da pior recessão da história do Brasil, o MEC vem trabalhando para regularizar pagamentos, gerir melhor os recursos, implementar programas e garantir investimentos na educação.
Em 2015, na gestão Dilma/Mercadante, as universidades e institutos federais tiveram cortes significativos de custeio e investimento, colocando em risco as atividades de ensino no país. Em 2016, a atual gestão conseguiu preservar o repasse para obras e aquisições em andamento e em fase avançada de entrega. Para os investimentos, assegurou R$ 778,5 milhões que não estavam disponíveis. Em relação ao custeio, garantiu 100% do limite de empenho para as universidades e institutos.
Nesse cenário, o PROIFES (Federação de Sindicatos de professores de Instituições Federais de ensino superior e de ensino básico técnico e tecnológico) solicitou, em fevereiro deste ano, uma agenda com o MEC para cobrar as promessas feitas pela gestão anterior após uma greve em 2015. A secretária executiva do MEC recebeu o sindicato e ouviu atentamente as demandas. Na ocasião, foram debatidas propostas para superar o momento de crise e recessão deixado pela gestão do PT. Em nenhum momento a secretária afirmou que defende cobrança de mensalidades em cursos regulares de graduação, gratuitos por determinação constitucional.

O MEC lamenta profundamente a tentativa de confundir a opinião pública divulgando versão deturpada e inverídica. Como demonstra o esforço para recompensar os orçamentos da instituições federais de ensino superior, a atual gestão do MEC valoriza as universidades federais, sempre esteve aberta ao diálogo produtivo, em benefício dos alunos e da educação pública na rede federal de ensino.
Fonte: Último Segundo/Educacão/Ig. São Paulo


Tags: , , ,

Não encontrou o que queria? Pesquise abaixo no Google.


Para votar clique em quantas estrelas deseja para o artigo

RuimRegularBomMuito BomExcelente (Seja o primeiro a votar)
Loading...



Enviar postagem por email Enviar postagem por email