Telescópios obtêm imagens de planetas fora do Sistema Solar

Telescópios terrestres obtiveram pela primeira vez imagens ópticas de planetas em torno de outra estrela. E o telescópio orbital Hubble também descobriu o seu próprio planeta, o primeiro exoplaneta encontrado apenas com buscas visuais.

Um conjunto de imagens mostra três planetas gigantes em torno da estrela HR8799, da constelação de Pégaso, a cerca de 130 anos-luz (1,3 quatrilhão de quilômetros) da Terra. Esses planetas têm várias vezes a massa de Júpiter.

“Finalmente temos uma imagem real de um sistema inteiro”, disse Bruce Macintosh, astrofísico do Laboratório Nacional Lawrence Livermore, da Califórnia, integrante da equipe responsável pelas observações.

“Trata-se de um marco na busca e caracterização dos sistemas planetários em torno das estrelas”, acrescentou.

Cerca de 300 planetas já foram localizados em torno de outras estrelas além do Sol, mas em geral isso ocorre por mensurações indiretas, como a alteração que sua passagem provoca sobre o campo gravitacional das suas estrelas, distorcendo a luz ao redor.

Em nota, Macintosh disse que “todos os planetas extra-solares detectados até agora eram uma hesitação num gráfico”.

“Passamos oito anos tentando fazer imagens de um planeta, sem sorte, e agora temos a foto de três de uma só vez.”

Em artigo na edição de sexta-feira da revista Science, os astrônomos disseram ter usado os telescópios Keck e Gemini (Havaí) para tirar as fotos, que podem ser vistas no site http://www.gemini.edu. Parecem meros borrões, mas os astrônomos têm certeza de que são os planetas.

Em outro estudo, Paul Kalas e seus colegas, da Universidade da Califórnia (Berkeley), usaram o Hubble para localizar um planeta que batizaram de Fomalhaut b, em torno da estrela Fomalhaut, que fica a 25 anos-luz, na constelação de Piscis Australis (Peixe Austral).

Kalas tem duas fotos do planeta, tiradas em 2004 e 2006. Seu deslocamento em 21 meses sugere uma órbita de 872 anos a uma distância de 17,7 bilhões de quilômetros. O cientista descreveu a experiência de descobrir um planeta como “profunda e avassaladora”. “Quase tive um ataque no final de maio, quando confirmei que o Fomalhaut b orbita sua estrela.”

Nenhum desses planetas pode ter vida – são grandes, quentes e distantes demais do seu sol. Mas, se planetas como Júpiter estão por lá, nada impede que haja também pequenos planetas rochosos, como Terra e Marte, teoricamente capazes de abrigar vida, mas que são muito mais difíceis de visualizar.

O estudo desse e de outros sistemas solar pode contribuir também com a contribuição da evolução da Terra. “Fomalhaut b pode na verdade nos demonstrar como Júpiter e Saturno eram quando o Sistema Solar tinha cerca de 1 milhão de anos”, disse Kalas.

A equipe do Gemini havia noticiado em setembro a visualização de um planeta extra-solar, orbitando uma estrela a cerca de 500 anos-luz.


Tags: , , , , ,

Não encontrou o que queria? Pesquise abaixo no Google.


Para votar clique em quantas estrelas deseja para o artigo

RuimRegularBomMuito BomExcelente (16 votos, média: 3,75 de 5)
Loading...



Enviar postagem por email Enviar postagem por email