Perdigão compra a Sadia e se torna Brasil Foods

brasil-foods-sadia-perdigao

Após muita negociação, os obstáculos à assinatura do contrato de compra da Sadia pela Perdigão foram superados e os papéis foram assinados na noite desta segunda-feira (18). A conclusão do acordo foi confirmada pela assessoria de imprensa da Perdigão, mas os detalhes ainda não foram anunciados – o que deve ocorrer ainda na manhã desta terça-feira.

O acordo cria a uma gigante brasileira de alimentação, que deverá se chamar Brasil Foods. Segundo a consultoria Economática, a empresa ocupará o 9º lugar no ranking das maiores empresas de alimentos das Américas.

A conclusão da operação, no entanto, depende de uma série de aprovações – entre elas, a do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que poderá inclusive avaliar a necessidade da nova empresa de se desfazer de algumas das marcas, já que haverá uma forte concentração de mercado em alguns setores.

O que teria atrasado a assinatura dos contratos, que estava prevista para quinta-feira foi o destino a ser dado ao Banco Concórdia, que pertence à Sadia. Desde o começo estava definido que o banco ficaria de fora da nova empresa, como um negócio independente, controlado pelas famílias Fontana e Furlan.

No entanto, restavam duas questões pendentes: o que fazer com um contrato de prazo indeterminado que o banco possuía para explorar a cadeia produtiva da Sadia e como fazer a cisão desse ativo da empresa. A separação do banco envolvia a definição de quanto capital ele necessitaria para existir de forma autônoma.

No balanço do primeiro trimestre, a Concórdia Holding Financeira, que controla o banco e a corretora do grupo, tinha patrimônio líquido de R$ 81,5 milhões.

Em conversas nos últimos dias ficou resolvido que o Banco Concórdia não terá um contrato para explorar a cadeia de fornecedores e clientes da Brasil Foods. Com isso, o banco perde sua razão inicial de existir. Caberá às duas famílias definir o seu futuro. Internamente, o banco vem desenvolvendo estudos para encontrar um novo foco de atuação.

A discussão desses pontos fez com que os advogados de ambos os lados fizessem uma pausa ao longo do fim de semana. A equação dessas pendências ficou a cargo dos assessores financeiros e contadores. Os trabalhos foram retomados intensamente na segunda-feira.

As condições inicialmente contratadas para a união, contudo, não tiveram alteração substancial. Portanto, estaria mantida a fatia de 11,5% a qual as famílias controladoras da Sadia teriam direito na Brasil Foods.

Na prática, a base atual de acionistas da empresa comporia 33% dá companhia combinada com a Perdigão. Já a Previ, Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil, maior acionista da Perdigão e principal minoritária da Sadia, será a principal sócia da Brasil Foods.

fonte: g1


Tags: , , , , , , ,

Não encontrou o que queria? Pesquise abaixo no Google.


Para votar clique em quantas estrelas deseja para o artigo

RuimRegularBomMuito BomExcelente (Seja o primeiro a votar)
Loading...



Enviar postagem por email Enviar postagem por email

Comentários

  • lizete das dores freitas da silva. disse:

    assisti um curso da pertigao e gostei muito, gostaria de receber mais receitas os produtos sao tosdos maravilhosos amei tudo .meuindereço e ,rua capitanias hereditarias 1401 bl mt ap 23 jardim novo sto amaro,cep 05820-120

  • paulo roberto dos santos disse:

    isto é um orgulho para mim sendo um brasileiro em ver a potência de duas empresas que construiram o nosso país.

  • aldo antonio zanin disse:

    Estou trabalhando ha 22 anos na empresa estou muito feliz de fazer parte de mais uma conquista adiquirida parabens !!!!!!!