Concurso para promotor reprova 100% dos candidatos

A cada duas questões erradas, uma certa era eliminada. Além disso, o nível de dificuldade da prova foi considerado elevado pelos especialistas. De acordo com o próprio Ministério Público da Paraíba, candidatos reclamaram da dificuldade das questões no dia do exame.

concurso para promotor

Tratava-se de uma prova preambular (primeira fase da seleção). De acordo com a comissão do concurso, nenhum dos concorrentes obteve nota mínima para aprovação. A aplicação das provas foi no dia 1º de agosto e teve 3.733 candidatos inscritos. No entanto, a abstenção foi de 45,5% (faltaram 1.699 pessoas). Para concorrer, o candidato deveria ter bacharelado em direito e três anos de atividade jurídica. O salário é de R$ 15.232,55.

O promotor José Arlindo Correa Neto, presidente da Associação Paraibana do Ministério Público, que também é professor de direito penal e processo penal, é um dos que atribui a reprovação de 100% dos candidatos à forma de correção da prova.

“Sou professor, conheço muitos candidatos que fizeram a prova e eles estavam preparados para o nível elevado de conhecimento que seria cobrado em concursos para a área jurídica. Na minha experiência de magistério eu não tenho medo de dizer que o que ocorreu foi exatamente a forma de correção da prova, pois, se a cada duas questões erradas se eliminava uma certa, três questões eram perdidas”, afirma.

O presidente da associação diz que esse fator de correção já foi usado em um concurso anterior para promotor, mas a concorrência na época foi maior. “Passar cinco ou seis candidatos não iria adiantar nada, tem que ter pelo menos 300 aprovados na prova preambular porque dá uma condição de melhor escolha e há ainda outras quatro etapas no concurso [prova escrita, oral, prática de tribuna e prova de títulos]”, diz.

Para Correa Neto, apesar de a prova ter sido aplicada com conteúdo previsto no edital, a prova foi extensa demais para as quatro horas de duração – foram 100 questões que abordaram 12 disciplinas da área de direito. “A prova longa, com nível de conhecimento rigoroso, embora dentro da bibliografia indicada, contribuiu para o ocorrido”, diz.

Carência de promotores
Correa Neto considera “lamentável” a reprovação de todos os candidatos principalmente pelo fato de o estado da Paraíba, segundo ele, precisar de promotores. “A Paraíba possui uma carência muito grande, sobretudo no interior. Temos 80 promotorias de Justiça com vagas ociosas, colegas que trabalham com até cinco promotorias ao mesmo tempo”, explica.

César Mattar Junior, presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público, diz que não tem conhecimento de ter havido 100% de reprovação em outro concurso no âmbito dos Ministérios Públicos estaduais. “Os motivos foram a forma de correção e o grau de complexidade e a extensão das perguntas, pois muitos candidatos não conseguiram concluir o raciocínio e responder as questões”, diz.

Mattar Junior não achou “razoável” a opção de correção do MP. “Já vi anular uma questão certa a cada três ou quatro erradas, mas a cada duas é complicado. Tem que exigir do candidato, mas abre as portas para uma situação de injustiça no método de avaliação. Eu acho que tem que ser repensado esse critério”, diz.

Para Correa Neto , “é preciso virar a página, superar o fato negativo e lançar um novo edital, melhorando esse fator de correção da prova para que possamos ter efetivamente um equilíbrio na escolha dos candidatos”. Segundo ele, a comissão está autorizada a abrir novo concurso porque não houve preenchimento e há vagas.

Recursos
O MP informou que só será possível confirmar se haverá novo concurso após todos os recursos dos candidatos em relação à prova serem analisados.

Os candidatos devem entrar com recurso em relação aos resultados nesta terça-feira (10) e quarta-feira (11). A comissão fará a análise na quinta (12) e sexta-feira (13) e, caso as reclamações sejam negadas, o candidato poderá interpor recurso no Conselho Superior do Ministério Público.

De acordo com a assessoria de imprensa do MP, os candidatos reclamaram que a prova estava muito difícil. No site do Ministério Público, há uma reportagem que mostra alguns depoimentos de candidatos. Ricardo Carneiro da Cunha diz que “as questões foram muito extensas e difíceis”. A opinião foi compartilhada pelo candidato Guido de Freitas Bezerra, que já é promotor de Justiça no Piauí. “A prova foi extremamente difícil e muito diferente das provas que foram realizadas anteriormente pela instituição. Imagino que poucas pessoas vão lograr êxito para a próxima fase”, disse na reportagem do MP.

Para Mattar Junior, certamente haverá outro concurso. “Tem que mudar a técnica redacional para facilitar a compreensão dos candidatos, as provas estavam um pouco cansativas e os concorrentes não conseguiram concluir”, afirma.

Mattar Junior ressalta que os candidatos a concursos para promotor e juiz se preparam durante anos devido à complexidade das provas. “E quem faz o concurso na Paraíba faz em outros estados, não só para promotor como também para magistratura”, diz.

Fonte:g1


Tags: , , , , , , , , , , ,

Não encontrou o que queria? Pesquise abaixo no Google.


Para votar clique em quantas estrelas deseja para o artigo

RuimRegularBomMuito BomExcelente (Seja o primeiro a votar)
Loading...



Enviar postagem por email Enviar postagem por email